• image
  • image
  • image
  • image
  • image
Previous Next

 

BOLETIM ESCOLAR

Usuário:
Senha:

Carneiro

Nasceu Carneiro Ribeiro na cidade e Ilha de Itaparica, na Baía de Todos os Santos, onde aprendeu os primeiros fundamentos educacionais. Dali, mudou-se para a Capital, onde realizou os estudos de humanidades - preparatórios para a Faculdade de Medicina da Bahia, onde finalmente diplomou-se em 1854.

Já como estudante dedica-se ao magistério, sobretudo no Ginásio Baiano, de Abílio César Borges - já consagrado educador.

Em 1874 fundou o Colégio da Bahia, que durou até 1883. No ano seguinte fundou um colégio com seu nome.

Participou, quando recém-proclamada a República, de uma comissão formada pelo governador Manuel Vitorino,destinada a elaborar um plano de ação educacional.

Era casado com Maria Francisca Ribeiro, com quem teve vários filhos, alguns dos quais seguiram-lhe a carreira como professores, com destaque para o quarto deles, Helvécio Carneiro Ribeiro.

 

No ano de 1902 Carneiro Ribeiro foi incumbido, por J. J. Seabra, de realizar a revisão do Projeto de Código Civil, apresentado por Clóvis Beviláqua que pela primeira vez iria viger no Brasil - então regido por antigas e esparsas leis das Ordenações filipinas. Para tanto, foi-lhe dado o prazo de apenas quatro dias - que cumpriu, de forma lapidar.

Por razões políticas - Seabra era antigo desafeto e adversário político, na Bahia - Ruy Barbosa engendrou ali uma importante polêmica, que serviu para revelar o profundo conhecimento filológicode Carneiro Ribeiro, refutando as críticas do ex-aluno (vide a obra "A Redacção do Projecto do Codigo Civil e a Replica do Dr. Ruy Barbosa pelo Dr. Ernesto Carneiro Ribeiro - lente jubilado do governador da Bahia, Bahia, 1905, 899 páginas).

O estudioso expôs e defendeu a normatização de peculiaridades do idioma português, falado no Brasil - diferente das gramáticas então existentes - sendo neste particular o pioneiro no país.

 

Sua principal obra - Serões Gramaticais - publicada inicialmente em 1890 e reeditada em 1915, constitui-se num "verdadeiro monumento da língua portuguesa" (no dizer de Antônio Loureiro de Souza, in "Bahianos Ilustres", Salvador, 1949).

 

Av. Afonso Mariano Fagundes, 945-  Travessa da Indianópolis, Planalto Paulista - São Paulo

Fones 2275-5727 | 3876-6327 | 3876-6527 | 3876-6627 | Fax: 5071-6026

Produzido por Castro Arts e Gráfica